Ato pelo 'Fora Temer' se concentra na Av. Paulista

Fonte:Mídia Ninja

Fonte:Mídia Ninja

Milhares de pessoas estão reunidas na avenida Paulista neste domingo em protesto contra o presidente Michel Temer.

Segundo os organizadores, o ato reuniu 100 mil pessoas. "Eu e o Paulo Teixeira estamos estudando uma representação para entrarmos na Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA contra a atuação da PM na repressão dos manifestantes", afirmou.

A concentração foi marcada para a frente do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Desde que o Senado aprovou o afastamento de Dilma, várias capitais no País têm sido palco de protestos contra o presidente Michel Temer (PMDB).

"Hoje é mais uma mobilização popular pelo Fora Temer exigindo Diretas Já, eleições para presidente do país, e defendendo nossos direitos", disse Guilherme Boulos, um dos líderes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da Frente Povo Sem Medo, em entrevista à Agência Brasil. O que preocupa, isto sim, é que confunde o direito à manifestação com o direito à depredação. A Polícia Militar não divulgou o número de manifestantes até este momento. "Nosso objetivo é fazer com que a manifestação aconteça e dê o seu recado para o Brasil todo do que nós queremos", disse Boulos. Os manifestantes seguiram da Paulista para o largo da Batata, pela avenida Rebouças.

A Professora aposentada Beti Rabetti também participou do protesto para denunciar o machismo que ela alega ter direcionado o impeachment de Dilma.

Enquanto a reportagem da Lusa seguiu o protesto não houve registo de violência nem da parte da polícia nem dos manifestantes. Em um deles, uma manifestante apresentou ferimentos no olho e corre o risco de perder a visão. O que era uma manifestação política transformou-se em cenário de guerra após uma discordância no percurso do protesto realizado por dez mil pessoas nesta sexta-feira em Florianópolis.

Enquanto marchavam, os adeptos do protesto gritavam contra o Presidente Michel Temer, recém empossado no Brasil, de todas as formas possíveis. A concentração começou por volta das 15h e, às 16h40, os manifestantes iniciaram uma caminhada em direção ao Farol da Barra, passando pelo Corredor da Vitória: "Essa manifestação é contra esse governo que nós não reconhecemos, esse governo golpista que não foi eleito pelo povo". Ficou acertado que não seria aceito o fechamento das pontes e das avenidas Beira-Mar Norte e Mauro Ramos. Inicialmente, a Secretaria de Segurança Pública proibiu o ato na avenida por causa da passagem da tocha, mas uma negociação, que envolveu o prefeito Fernando Haddad, fez o horário do protesto ser modificado para as 16h30, após a passagem da tocha. A menos de uma semana do impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff, cartazes e palavras de ordem pediram a saída do governo e novas eleições para a Presidência da República. As Paralimpíadas serão inauguradas na próxima quarta-feira (7), no Rio de Janeiro. Laerte diz esperar que, ao contrário das manifestações anteriores, não haja confronto com a polícia. A Constituição nos assegura este direito. Em nota, o motivo alegado foi a passagem da tocha paraolímpica. Segundo a polícia, foram vândalos que provocaram essa reação. "Ainda buscando uma solução que não seja o enfrentamento com a PM estamos alterando a concentração para a frente do Masp", acrescentou o movimento.