Homem detido em França por suspeitas de terrorismo vivia em Aveiro

Um dos sete detidos em França por suspeitas de terrorismo tinha residência em Portugal

Um dos sete detidos em França por suspeitas de terrorismo tinha residência em Portugal

Um dos sete suspeitos de estarem a preparar um atentado terrorista em França, detido pelas autoridades francesas este fim de semana, passou por Portugal, confirmou a Polícia Judiciária em comunicado.

Fonte ligada às investigações confirmou essa informação ao DN mas garantiu que o marroquino não tinha residência permanente e que Portugal era apenas um "ponto de passagem".

A detenção deste alegado terrorista, e de mais seis pessoas, cinco franceses e um afegão, teve a colaboração das autoridades portuguesas, PJ e Serviço de Informação de Segurança, que avisaram várias congéneres europeias das suspeitas que existiam quanto a este cidadão marroquino.


O governo anunciou recentemente que vai pedir um novo prolongamento do estado de emergência, em vigor em França desde novembro de 2015, pelo menos até às eleições presidenciais da primavera de 2017.

De acordo com o comunicado da Polícia Judiciária, citado pelo Observador, o suspeito tem 26 anos e residia em Aveiro, com autorização de residência emitida em 2014. Em Abril, o Expresso noticiava que uma rede de recrutadores, oriundos do Norte de África, actuava em pequenas lojas e cafés da capital e da zona Centro, onde dariam sermões sobre as vantagens da vida do califado.

A PJ afirma que as investigações prosseguem em articulação com as polícias de outros países.


O ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, revelou nesta segunda-feira que foram detidas sete pessoas, durante o fim-de-semana, que planeavam um atentado.

Recorde-se que um meio francês, o Nouvel Observateur, tinha dado conta de que um dos suspeitos seria residente em Portugal e que era já conhecido das autoridades.

O marroquino foi um dos sete detidos na mega-operação da polícia francesa, que decorreu de sábado para domingo.