Médicos cubanos chegam a Alagoas para atuar no Programa Mais Médicos

Profissionais cubanos chegam a Brasília para repor contratos do programa Mais Médicos

Profissionais cubanos chegam a Brasília para repor contratos do programa Mais Médicos

Entre novembro e dezembro, 130 médicos cubanos e dois brasileiros encerraram sua participação no programa. Cabe esclarecer que a renovação de médicos cooperados fica a critério do governo cubano, que já sinalizou a intenção de substituir todos ou a maior parte dos profissionais que forem encerrando os três anos.

Para o Secretário de Estado da Saúde, Francisco Costa, o programa se consolidou no Piauí como uma excelente política de governo, onde bons resultados já foram colhidos nesses primeiros três anos. Caso não sejam preenchidas, as residuais serão ofertadas aos brasileiros formados em qualquer país. Isso é uma exigência de contrato exclusivo com Cuba. No entanto, deve haver a reposição dos 132 profissionais, sendo que 51 deles chegam nesta sexta e os outros médicos cubanos chegarão ao país em janeiro e a previsão é de que iniciem, de imediato, o trabalho nos municípios.


Dos 1.380, mais de 500 profissionais estão em deslocamento nesta quinta-feira (15) para os municípios, onde atuarão nos próximos três anos. Um para Nova Nazaré (797 km) e um para Porto Esperidião (322 km). Dois serão responsáveis pelo DSEI Kaiapó do Mato Grosso, um para o DSEI Araguaia, dois para o DSEI Xavante, um para o DSEI Xingu, e um para o DSEI Cuiabá. Atualmente, dos 18,2 mil médicos participantes, 11,4 mil são da cooperação com OPAS.

Concomitante a esse processo, o governo federal lançou edital para desses profissionais cubanos cooperados. Os outros 67 estão divididos entre argentinos, venezuelanos, espanhóis e outras nacionalidades. Os profissionais estão espalhados em 102 dos 141 municípios do estado.


A expectativa é chegar a 7.800 brasileiros no Mais Médicos, representando mais de 40% do total de profissionais. Na última terça-feira (13), o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), Rogério Abdalla, esteve no Piauí durante o Seminário de Atenção Básica com foco no Trabalho em Educação e ressaltou que o Ministério da Saúde tem garantido a manutenção do programa e que vai tentar criar as condições para que mais vagas estejam disponíveis para o Piauí. Além do provimento emergencial de médicos, a iniciativa prevê ações voltadas à infraestrutura e expansão da formação médica no país.