Manuel Pizarro recorda "visão moderna" de Guilherme Pinto

Morreu o presidente da Câmara de Matosinhos Guilherme Pinto

Morreu o presidente da Câmara de Matosinhos Guilherme Pinto

Guilherme Pinto, que morreu hoje aos 57 anos, deixa uma marca forte na liderança em Matosinhos, que a doença obrigou a abandonar, mas também no PS local, mesmo quando interrompeu a militância para abraçar uma candidatura autárquica independente.

A construção de uma ligação viária entre as ruas da Estação de S. Mamede e Flor de Infesta, a requalificação das Rua Heróis de França e da Avenida Serpa Pinto, um dos principais nichos de restauração da região e da cidade conhecida como "capital da grelha do Norte", e das praças do Freixieiro e do Padrão da Légua, bem como a requalificação da Praça de Lavra, são outras das empreitadas projetadas.

Antes da passagem de testemunho, a 1 de fevereiro, da Câmara a que preside desde 2005 (eleito nos dois primeiros mandatos pelo PS e em 2013 como independente), Guilherme Pinto propõe-se ainda inaugurar a reabilitação dos conjuntos habitacionais de Sendim e do Esquinheiro, orçadas em €410 mil e €1,5 milhões.


Para o presidente da Federação Distrital do Porto do PS, Manuel Pizarro.

O FC Porto envia sentidas condolências às famílias e amigos de Daniel Serrão e Guilherme Pinto, dois notáveis portugueses que partiram este domingo, num fim de semana particularmente difícil para o país, depois da morte do ex-Presidente da República e primeiro-ministro Mário Soares. "Este conjunto de obras são exemplificativas da estratégia seguida desde que Guilherme Pinto assumiu a presidência, apostando em afirmar Matosinhos como um concelho qualificado e socialmente coeso, voltado para a inovação, para o reforço da cidadania, para a criatividade e para a cultura", sublinha o comunicado.

Nas últimas eleições autárquicas, em 2013, Guilherme Pinto apresentou-se como independente contra o líder da concelhia do PS e presidente da Junta de Freguesia de Matosinhos, António Parada.


Vence as eleições com maioria absoluta, pondo fim àquele que era um bastião socialista há 37 anos.

Falando aos jornalistas durante o segundo de seis dias da sua visita de Estado à Índia, António Costa referiu que era amigo de Guilherme Pinto desde os 18 anos.

"Desejava ficar associado à sua renovação, mas não sei se o conseguiu fazer".