Volkswagen passou a Toyota e foi quem mais carros vendeu em 2016

Reprodução

Reprodução

É a primeira vez que a Volkswagen termina o ano como o maior fabricante mundial de automóveis.

No final de 2015, a Volkswagen teve que reconhecer que equipou 11 milhões de seus veículos no mundo, entre eles 600.000 nos Estados Unidos, com um programa que minimizava o nível real das emissões de gases poluentes. Já a Toyota Motors Corp. - incluindo as marcas Lexus ou Daihatsu - cresceu apenas 0,2% passando para os 10,2 milhões de viaturas no ano que passou. O grupo japonês liderou as vendas mundiais entre 2008 e 2015, com a excepção de 2011, em que foi ultrapassado pela GM, devido ao tsunami que afectou o Japão.

No ano passado, as vendas do grupo VW subiram 12,2 por cento na China, onde o escândalo não é problema porque a fabricante de veículos quase não vende veículos a diesel no país.

Quatro anos depois, a Toyota perde o título de fabricante automóvel mais vendido do Mundo para o Grupo Volkswagen - fruto das vendas aquém do esperado da sua berlina Camry nos EUA e do ritmo de vendas mais lento (do que o previsto) verificado no mercado chinês. O grupo americano, que em 2015 vendeu 9,8 milhões de automóveis, deverá agora ter por perto o grupo Renault-Nissan, que ganhou ainda mais fôlego com a aquisição da Mitsubishi e que deverá aproximar-se dos 10 milhões de veículos vendidos - a Nissan já anunciou ter vendido 5,6 milhões de automóveis no ano passado, ao que se somam 3,18 milhões da Renault, segundo as contas da AFP. "A Toyota fez um investimento para construir uma nova fábrica no México e terá opções limitadas para responder a Trump".

Segundo a imprensa japonesa, o primeiro-ministro Shinzo Abe se reunirá na sexta-feira com o presidente da Toyota, Akio Toyoda, uma semana antes de encontrar Trump em Washington.

O terceiro lugar deste pódio mundial de vendas deverá ficar com a General Motores, mas os números relativos a 2016 da gigante norte-americana (estimados abaixo dos 10 milhões) ainda não foram oficializados.