'Clarín': Macri, governadores e parlamentares argentinos se reúnem com políticos do Brasil

Macri restringe imigração na Argentina

Macri restringe imigração na Argentina

"Por mais complexas que sejam, não há assuntos que não possam ser tratados", disse, o presidente brasileiro, afirmando que, no encontro desta terça, os dois chefes de Estado estão buscando "resultados concretos". O Mercosul, com todas as suas dificuldades, está pequeno e precisa ganhar espaço no mundo, dando passos importantes em direção a acordos de livre comércio com parceiros como a União Europeia, o Canadá, o Japão, a Coreia do Sul e até os Estados Unidos. O trânsito na região só será liberado após a visita.

Às 12h30: cerimônia de assinatura de atos. O empresário foi eleito presidente com a promessa de reduzir a inflação (que, em 2016, atingiu 40%) e a pobreza (que afeta um terço dos argentinos), além de atrair novos investimentos.

O primeiro ato assinado trata da cooperação entre a Apex e seu equivalente argentino.

"Na medida do possível, o que se espera é avançar na eliminação das barreiras entre os dois países e há um programa de trabalho no bloco com esse objetivo", completa. Na pauta, a nova política argentina para o setor automotivo.

Após os discursos, Temer ofereceu almoço a Macri no Palácio do Itamaraty, com a presença dos ex-presidentes José Sarney e Fernando Collor. O grupo ficou reunido brevemente e, em seguida, o presidente argentino foi levado ao Salão Nobre pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. O presidente argentino será recepcionado ainda pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, no salão no nobre da Corte.

A visita de Estado será o segundo encontro entre ambos os presidentes. Tanto Macri quanto Temer estão apostando na retomada do crescimento econômico nos dois países e no fim da recessão. Houve um superávit favorável ao lado brasileiro de US$ 4,3 bilhões. Por meio dela, serão organizadas reuniões periódicas entre as duas agências; o intercâmbio de publicações e informações sobre os respectivos mercados; o estímulo à realização de missões comerciais entre os dois países; a assistência mútua à participação em feiras internacionais; e a promoção de contatos entre empresários para promover a colaboração comercial e industrial e a formação de sociedades mistas para atuar em terceiros países. Por exemplo: junto com o paraguaio Horacio Cartes, Macri foi um dos primeiros líderes latino-americanos a reconhecer o governo pós-impeachment de Dilma Rousseff. Segundo Temer, essa cooperação regulatória ajudará a "tornar fluidos" os fluxos de comércio e de investimentos. Queremos ser seus sócios.