Produção da indústria cresce em 10 regiões em dezembro, diz IBGE

O estado do Ceará obteve a maior a variação de acordo com o IBGE o índice é de 12,4% no seu indicador de produção

O estado do Ceará obteve a maior a variação de acordo com o IBGE o índice é de 12,4% no seu indicador de produção

O aumento de 2,3% no ritmo da produção industrial nacional na passagem de novembro para dezembro de 2016, série com ajuste sazonal, foi acompanhado por dez dos catorze locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com destaque para o avanço de 12,4% registrado no Ceará, eliminando, assim, a perda de 8,4% acumulada entre os meses de agosto e novembro.

Também ficaram no azul Pernambuco (0,6%), Bahia (1,4%), Minas Gerais (2,3%), Paraná (0,8%) e Goiás (1,4%).

Em dezembro, dez dos 14 locais pesquisados pelo IBGE tiveram aumento na atividade industrial.

Os destaques negativos foram Bahia (-9,3%) e Goiás (-9,0%). Rio Grande do Sul (6,3%), Espírito Santo (5,1%), região Nordeste (4,9%) e Santa Catarina (3,6%) também cresceram acima da média nacional, que foi de 2,3% para o mês.

As demais taxas negativas foram assinaladas por Rio de Janeiro (-0,9%) e Pará (-0,7%).

Na contramão, estão os parques do Pará (10,1%), Paraná (6,5%), Santa Catarina (6,3%), Pernambuco (5,6%), Ceará (3,4%), Rio Grande do Sul (3,3%), Amazonas (3,0%), Minas Gerais (2,2%) e Espírito Santo (2,1%).

Na contramão, registraram quedas as indústrias localizadas no Amazonas (-2,0%), São Paulo (-1,5%), Rio de Janeiro (-0,9%) e Pará (-0,7%).

Dados divulgados na última quarta-feira (1º) indicam ainda que a indústria brasileira fechou 2016 com queda de 6,6% na produção, terceiro ano seguido de perdas. Foi a única região com resultado positivo.

No acumulado de 2016, quando a produção nacional recuou 6,6%, a queda foi generalizada: Espírito Santo (-18,8%), Amazonas (-10,8%), Pernambuco (-9,5%) e Goiás (-6,7%), Minas Gerais (-6,2%), São Paulo (-5,5%), Ceará (-5,2%), Bahia (-5,2%), Paraná (-4,3%), Rio de Janeiro (-4,1%), Rio Grande do Sul (-3,8%), Santa Catarina (-3,3%), Região Nordeste (-3,1%) e Mato Grosso (-1,1%).

Por outro lado, Pará (10,1%) apontou o avanço mais elevado em dezembro de 2016. No ano, a indústria paulista recuou 5,5%.