Torcedor morre após confusão no Engenhão

Zé Ricardo concedeu entrevista coletiva no Ninho do Urubu

Zé Ricardo concedeu entrevista coletiva no Ninho do Urubu

Com a derrota por 2 a 1 para o Flamengo, neste domingo, o Botafogo está eliminado da Taça Guanabara deste ano. Eles foram socorridos por policiais militares e levados para o hospital Salgado Filho, mas Diego Silva dos Santos, de 28 anos, que levou um tiro no peito, chegou em estado grave e não resistiu. Não faz parte do espetáculo do futebol, essas pessoas que se envolvem. A assessoria da Polícia Militar informou que o policiamento estava "reforçado" e que o efetivo era suficiente para garantir a segurança das torcidas.

Ainda de acordo com Teixeira, além do próprio 3º BPM, estavam no entorno do Engenhão homens do 1º Comando de Policiamento de Área (CPA) e do Comando de Operações Especiais (COE), que inclui o Batalhão de Choque e o Batalhão de Ação com Cães (BAC). Uma briga de torcida do lado de fora do Engenhão causou a morte de um torcedor do clube.


Os confrontos entre torcedores foram contidos pela polícia, que usou bombas de gás de pimenta e chegou a disparar balas de borracha. A Ferj cogitou cancelar o compromisso, mas diante da chegada de mais agentes da PM descartou a possibilidade imediatamente.

Toda a violência que cercou o clássico, deixando feridos e prejuízo, é repudiada pelo Botafogo. "Começa por paz nos estádios". "O clima de insegurança e medo não pode jamais combinar com o esporte", afirmou o Botafogo em nota publicada em seu site oficial.


Antes da partida, foram registradas no entorno diversas brigas entre torcedores, tentativa de invasão da arena e correria. Assustados, muitos torcedores desistiram de assistir ao jogo e voltaram para casa.