World Press Photo: Morte de embaixador russo é a fotografia do ano

Fotografia do assassino de embaixador russo vence World Press Photo

Fotografia do assassino de embaixador russo vence World Press Photo

Entre outros vencedores estão Jonathan Bachman, dos Estados Unidos, fotógrafo da Thomson Reuters, na categoria "Contemporary Issues - Singles", com uma imagem da manifestante Ieshia Evans a ser presa em Baton Rouge, nos Estados Unidos, durante um protesto a 09 de julho, pela morte de Alton Sterling, um negro assassinado pela polícia.

"Foi uma decisão muito difícil", disse Calvert. A imagem de Abd Doumany mostra duas meninas com o rosto coberto de poeira e sangue, tratadas por uma enfermeira. "É a fotografia de um homicídio, o assassino e a vítima, ambos na mesma imagem".

Para João Silva, fotógrafo do New York Times e membro do júri, esta imagem de um homem que "claramente atingiu um ponto de ruptura" representa tudo o que está acontecendo ao redor do mundo hoje. "Colocar esta fotografia num pedestal tão alto é um convite àqueles que contemplam a espetacularidade destes palcos: reafirma a associação do martírio e publicidade", considerou ainda.

Apesar de ter elogiado o trabalho do fotógrafo e de ter admitido que este merece reconhecimento, Stuart Franklin recordou que o debate sobre esta questão não é novo e que o seu voto contra se deveu ao facto de recear que os grandes prémios amplifiquem as mensagens de terroristas pela publicidade adicional. "Burhan Özbilici, um funcionário da Associated Press num país onde a liberdade de expressão é constantemente atacada, tinha uma única hipótese".

A sequência de fotografias foi feita antes, durante e depois de o polícia turco Mevlut Mert Altintas ter disparado vários tiros sobre embaixador, no dia 19 de dezembro do ano passado. A mais célebre das três retrata a morte de um vietcongue, fotografada por Eddie Adams em 1968. A imagem foi ainda galardoada com um Pulitzer.

De acordo com o fotógrafo, foi a terceira vez que a cobertura de um assassinato ganhou o prémio. Além do World Press Photo, a imagem venceu também o prémio Pulitzer em 1961.

No concurso participaram mais de cinco mil fotógrafos de 125 países, que submeteram mais de 80 mil imagens à apreciação do júri. O júri, constituído por fotógrafos de várias nacionalidades, premiou 45 fotógrafos, de 25 países, distribuídos por oito categorias.