Presidente da Samsung presta novo depoimento e Justiça decidirá seu futuro

Herdeiro da Samsung é preso suspeito de corrupção

Herdeiro da Samsung é preso suspeito de corrupção

Yong, de 48 anos, é membro da terceira geral da família. O executivo, que passou a noite dentro de uma cela aguardando pela decisão, foi levado, na manhã desta sexta-feira, 17, ao Centro de Detenção de Seul, segundo reporta a Reuters.

"É necessário prender (Lee Jae-Yong) à luz de uma acusação criminal, recentemente adicionada ao processo, e de uma evidência nova", disse o porta-voz do Tribunal citado pela agência AFP.

O grupo Samsung - maior fabricante de smartphones do mundo - informou que fará o seu melhor para garantir que a verdade seja revelada em futuros processos judiciais, após a prisão de Lee. Em causa, novas provas contra o empresário, num processo que está a manchar a imagem da gigante de tecnologia e eletrónica sul coreana. Explicaram que desejam interrogá-lo novamente no sábado, o que expõe o executivo a uma nova aparição pública algemado.

O escândalo de corrupção gira em torno de Choi Soon-Sil, confidente de Park Geun-Hye, que está sendo julgada por ter usado sua relação com a presidente destituída para obrigar grandes conglomerados sul-coreanos a pagar milhões de dólares às suas duas fundações privadas supostamente beneficentes. Park Ún-Rê e a Samsung negam as acusações.

A maior contribuição foi da Samsung, além disso, assinou um acordo de US$ 18 milhões com uma companhia de gerenciamento esportivo alemã que era controlada por Choi. A Samsung foi acusada de desviar 37 milhões de dólares para organizações e negócios apoiados pela chefe do governo, em troca de apoio a uma fusão entre duas subsidiárias, que aconteceu em 2015. Empresa teria subornado governo local em troca de favores.

Em dezembro do ano passado, o parlamento sul-coreano aprovou o afastamento de Park Geun-hye; a decisão final está agora em mãos do Tribunal Constitucional, que tem até junho para decidir a favor ou contra da cassação.

Lee é filho do ex-presidente da Samsung, Lee Kun-hee, que está fora da empresa desde um ataque cardíaco sofrido em 2014 e já renunciou ao cargo em 2008 após ser considerado culpado em um escândalo de fundos levantados por meio de corrupção - ele acabou voltando ao cargo após receber um perdão presidencial.