Rui Moreira rompe com o PS no Porto — Autárquicas

Rui Moreira. “Podemos precisar de uma ditadura”

Rui Moreira. “Podemos precisar de uma ditadura”

O atual presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, rompeu com o apoio do PS para as próximas eleições autárquicas, avança o Expresso esta sexta-feira.

De acordo com vários órgãos de comunicação social, as declarações de Ana Catarina Mendes levaram o núcleo duro de Rui Moreira a reunir à porta fechada, na quinta-feira à noite, tendo desse encontro saído a decisão de descartar o apoio do PS à recandidatura do independente. A secretária geral adjunta do PS afirmou que, na noite eleitoral, "todas as vitórias são vitórias do Partido Socialista, onde o Partido Socialista será candidato e todas as listas que integra".

Para a comissão política do autarca, que tomou a decisão por unanimidade, as declarações de Ana Catarina Mendes de apoio do partido à candidatura independente poderiam condicionar a elaboração das listas.

Fernando Jesus critica ainda Manuel Pizzaro e afirma que desde 2013 que está em desacordo com a estratégia seguida pela concelhia do Porto do PS. Posição também já defendida pelo actual secretário de Estado para as Comunidades, José Luís Carneiro.

Na entrevista publicada pela Lusa na quinta-feira, Ana Catarina Mendes é questionada sobre se o PS tenciona contabilizar para si os votos que a lista de Rui Moreira obtiver no Porto, respondendo que, se essa foi a interpretação retirada da entrevista concedida ao "Observador", então ter-se-á "exprimido mal".

Contactado pelo Expresso, a mesma fonte adianta que o candidato independente não vai convidar Manuel Pizarro, o seu braço direito na autarquia que lidera, enquanto socialista. E aqui há um ponto sensível: entre Rui Moreira e Pizarro as relações foram sempre as melhores, como lembra fonte próxima do autarca.

Um dia depois, em entrevista à agência Lusa, a socialista admitiu que as suas palavras podiam ser mal interpretadas e tentou fazer o controlo de danos possível: a vitória de Rui Moreira será de Rui Moreira, mas "será também festejada pelos militantes socialistas".

Segundo o semanário, o que ditou a rutura foi a "colagem" do partido liderado por Carlos César a uma vitória de Rui Moreira. Até lá, não são esperados quaisquer comentários oficiais sobre o caso, sabendo-se apenas que a decisão de Rui Moreira é "irreversível".