Ex-diretor do FBI recusou convite para falar em comitê do Senado

Donald Trump demitiu o diretor do FBI

Donald Trump demitiu o diretor do FBI

Interrogado brevemente pela imprensa no Salão Oval na quarta-feira de manhã, Trump disse que Comey não fazia um bom trabalho.

O vice-Presidente, Mike Pence, e vários responsáveis da Casa Branca sublinharam na quarta-feira que Donald Trump despediu Comey seguindo as recomendações de Sessions e Rosenstein.

Por ironia do destino, um dia após demitir Comey, o presidente americano recebeu na Casa Branca o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, que não visitava Washington desde 2013.

Isto levou Trump a escrever a mensagem no Twitter "Enquanto Presidente muito ativo, com muitas coisas a acontecerem, não é possível para os meus subordinados estarem no palanque com uma exatidão perfeita".

Segundo o jornal Los Angeles Times, uma fonte do FBI assegurou que a demissão pegou Comey "de surpresa" e "desprevenido".

Recentemente, no entanto, Donald Trump passou a se incomodar com o chefe do FBI. Primeiro, foram os republicanos, depois que a agência decidiu encerrar a investigação contra a candidata democrata Hillary Clinton.

Mas nesta sexta teve coletiva de imprensa.

"No 2º parágrafo do texto o presidente afirma agradecer "[Comey por] ter me informado, em 3 ocasiões separadas, que eu não estou sob investigação, eu no entanto concordo com o julgamento do Departamento de Justiça que você não é mais capaz de liderar eficientemente o FBI".

"A confiança em Comey estava reduzindo".

Da forma como a história é contada nos jornais norte-americanos, a intenção encontrou finalmente um argumento: Trump queria despedir Comey, mas não podia deixar em aberto a ideia de que o objectivo era atrasar ou comprometer a investigação do FBI sobre elementos da sua própria equipa de campanha; o que o Presidente norte-americano não terá antecipado é que bastava o despedimento de Comey, fosse qual fosse a justificação, para deixar o Congresso em pé de guerra.

A versão não foi comprada pela maioria da mídia americana -nem pela emissora Fox News, na qual o comentarista Charles Krauthammer disse "não fazer sentido" a demissão justificada numa decisão de Comey de julho de 2016.

"Acredito que seja uma perda para o FBI e a nação", completou. Comey, que comandava uma investigação sobre o suposto conluio entre assessores do republicano e autoridades russas durante a campanha eleitoral, foi demitido nesta semana de maneira abrupta.

Os diretores do FBI são nomeados para mandatos de dez anos.

O tema principal do evento, no entanto, acabou se tornando a saída de Comey do governo.

Trump afirmou mais cedo que Comey falou três vezes a ele que seu nome não estava sob investigação na questão da Rússia. Trump também se defendeu das críticas sobre a confusão na narrativa oficial sobre o episódio.