Vem pra Rua cancela manifestações de domingo e diz não ser "recuo"

CUT Movimentos políticos de diferentes correntes começaram a convocar atos nas ruas

CUT Movimentos políticos de diferentes correntes começaram a convocar atos nas ruas

Menos de 24 horas depois de anunciar uma manifestação marcada para este domingo, em vários pontos do país, o Vem Pra Rua cancelou o protesto.

De acordo com os líderes do Vem Pra Rua Brasil, o cancelamento da convocação leva em conta questões de segurança. "A decisão foi tomada já que, em muitas cidades, não houve tempo hábil para planejar a segurança ideal, como sempre aconteceu, mesmo naquelas em que havia mais de 1 milhão de pessoas nas ruas", informou. "O adiamento não significa recuo; ao contrário, nada abala nossa convicção de que todos, sem exceção e de que partidos forem, devem ser punidos pelos crimes cometidos', afirma a nota. Temer, Dilma, Lula e Aécio".

Kim Kataguiri, coordenador do MBL, também suspendeu o posicionamento a favor do afastamento do presidente. Após a denúncia de que Temer consentiu com o pagamento de propina a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), divulgada pelo jornal "O Globo" na noite desta quarta-feira (17), movimentos políticos de diferentes correntes começaram a convocar atos nas ruas.

Já as frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, da qual fazem parte diversos movimentos sociais e centrais sindicais, entre elas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), confirmaram os atos programados para este domingo em diversas cidades.

A manifestação vai pedir a renúncia ou o impeachment do presidente Temer e a realização de eleições diretas (bem como marcar posição contra as reformas da Previdência e Trabalhista). Em São Paulo, os dois grupos se encontrariam no mesmo local, no vão do Masp, na Avenida Paulista.