Marcelo defende combate à pobreza e superação da injusiça

Marcelo e Costa levaram 'tampa' de Temer

Marcelo e Costa levaram 'tampa' de Temer

"Cada vez que o Brasil vence, Portugal sente que também vence", declarou o chefe de Estado, falando, depois, no caráter invulgar das comemorações do Dia de Portugal.

"Estão habituados a um Presidente da República e a um primeiro-ministro que, por virtude da situação estável, tranquila do país, têm uma disponibilidade constante que não é habitual noutros Estados."
"O Presidente da República pontuou bem estas três componentes essenciais que fazem a pátria portuguesa", afirmou.

No final do discurso, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou três militares dos três ramos das Forças Armadas Portuguesas que estiveram em missões internacionais.

O Presidente da República esclareceu, no sábado, que esteve previsto um encontro, a pedido de Michel Temer, em que participaria também o primeiro-ministro português, mas que foi cancelado por "um problema no programa" do homólogo brasileiro.

Referindo-se ao "quadro oficial", que conheceu hoje no ateliê do artista, na rua do Almada, e que foi feito a partir de uma fotografia, o Presidente da República disse que "gostou muito" do resultado, uma vez que o pintor o "apanhou no estilo e na ideia global".

Na cerimónia de arranque das celebrações, Marcelo Rebelo de Sousa foi recebido pelo ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, o presidente da Comissão Organizadora das comemorações, o investigador Sobrinho Simões, o vice-presidente do PSD Marco António Costa, o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, Artur Pina Monteiro, os chefes do Estado-Maior da Força Aérea, Manuel Teixeira Rolo, do Exército, Frederico José Rovisco Duarte, da Armada, António Silva Ribeiro e o chefe do protocolo do Estado, António Almeida Lima.

Marcelo e Costa levaram 'tampa' de Temer

Perante portugueses residentes em São Paulo e luso-descendentes, uma das mensagens centrais do Presidente da República passou por dizer que Portugal e o Brasil estão "unidos pela alma" e que isso transcende os episódios da política ou da vida económica em cada um dos países.

O Presidente da República deixou também uma mensagem de "gratidão" aos brasileiros, afirmando que "Portugal é aquilo que é hoje graças ao Brasil". "É por causa do território espiritual que António Guterres é secretário-geral das Nações Unidas", acrescentou.

Ainda na segunda-feira, durante a visita aos Açores, Marcelo Rebelo de Sousa evitou falar diretamente sobre o encontro com o Presidente brasileiro, garantindo que não existiam "convites a autoridades brasileiras".

Os principais monumentos de São Paulo foram iluminados com as cores verde e vermelho da bandeira de portuguesa, numa homenagem da Prefeitura da cidade pelas comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades. Nas cerimónias marcarão presença o prefeito da maior cidade brasileira, João Dória, tal como Geraldo Alckmin proveniente do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira).

No Teatro Municipal de São Paulo, a sessão foi apresentada pelo ator Ricardo Pereira, seguindo-se a projeção de um vídeo que pretendeu explicar o que é atualmente Portugal.