Mãe de bebê baleado no Rio de Janeiro presta depoimento

Bebê baleado na barriga da mãe continua internado em estado grave

Bebê baleado na barriga da mãe continua internado em estado grave

"Quanto à paraplegia, é um quadro que pode até se reverter, caso não haja lesão medular", explicou o neurologista Eduardo França.

Ferida, a mulher foi levada ao hospital por moradores da comunidade do Lixão, onde mora há um ano e meio com o marido. Ela já sabe sobre o estado de saúde do filho, mas ainda não pode vê-lo.

Na última terça-feira, a delegada Raíssa Celles, titular da 59ª DP (Duque de Caxias), tomou o depoimento de Claudineia no hospital.

Uma gestante foi atingida por um tiro na perna em meio a um confronto entre policiais militares e traficantes no Morro do Amor, no Complexo do Lins. Com relação ao recém-nascido Arthur, seu estado ainda é grave. Quando os médicos tiraram o bebê, perceberam os ferimentos no tórax.

Grávida atingida por um tiro chegou lúcida ao hospital, segundo relatório do Hospital Municipal Moacyr do Carmo. "Eu sou cirurgião e já vi muita coisa". Já o pai do bebê afirmou ao jornal que, no momento, não está pensando em quem cometeu esse crime, pois está bastante preocupado com a saúde da esposa e do seu filho.

Na segunda-feira (03), o bebê foi levado ao Instituto do Cérebro, no centro do Rio, onde fez uma ressonância magnética na cabeça e na coluna. Na Unidade de Terapia Intensiva, foi diagnosticado pneumotórax bilateral (entrada de ar na pleura, a membrana que recobre os pulmões). A criança, que está internada em estado grave no Hospital estadual Adão Pereira Nunes, na Baixada Fluminense, também está paraplégica, de acordo com boletim médico. O primeiro atendimento e os procedimentos realizados no Moacyr do Carmo foram fundamentais para a sobrevivência da mãe e do bebê. Três homens foram presos na operação. Eles estavam com 101 sacolés de cocaína e um radiotransmissor.