Congresso tira dinheiro da ONU para emissão de passaportes

Schneider ainda sem previsão para que a situação se normalize

Schneider ainda sem previsão para que a situação se normalize

Nesta quinta-feira (13), o projeto enviado pelo governo que destina R$ 102,38 milhões ao Ministério da Justiça para a Polícia Federal volta a emitir passaportes, pelo Congresso Nacional. "Achei que a votação (sobre a liberação da verba no Congresso) seria só na segunda-feira", contou.

Verba para emissão de passaportes foi reduzida para cobrir déficit fiscal, estimado em R$ 142 bilhões para a União.

Ao suspender a emissão dos documentos, a PF informou que não há prazo para retomada das atividades, que segue sem data, já que não se sabe quando Temer apreciará o crédito. O serviço está suspenso desde o dia 27, às vésperas das férias escolares, por alegada "insuficiência de verbas da PF". Esse valor foi integralmente empenhado até junho.

Em média, 35 atendimentos relacionados a passaportes são feitos diariamente na delegacia local.

A taxa de R$ 257,25 cobrada para a emissão do passaporte não é diretamente vinculada ao serviço. De acordo com informações do G1, esse montante faz parte da contribuição que o Brasil faria para a Organização das Nações Unidas (ONU). Com o remanejamento de recursos, o Ministério do Planejamento tentou evitar que o repasse à PF alterasse a meta de resultado primário de 2017.