Texas pede que Trump declare estado de catástrofe por furacão Harvey

Furacão Harvey perde força mas provocará inundações devastadoras

Furacão Harvey perde força mas provocará inundações devastadoras

Segundo o Centro Nacional de Furacões (NHC), o Harvey regista agora ventos máximos de 195 quilómetros por hora.

Na noite do mesmo dia, após aviões de NHC realizarem voos de reconhecimento que detectaram ventos sustentados por mais de 1 minuto acima de 62 km/h, o centro norte-americano o elevou à categoria de tempestade tropical, nomeando-o assim de Harvey, que até então era chamado de INVEST93L, nomenclatura genérica para sistemas que ainda não foram categorizados como tempestade tropical.

Ele destacou que está preocupado sobretudo com a possibilidade de que os moradores não levem em consideração as advertências das autoridades locais de abandonar suas casas antes da chegada do Harvey, que deve tocar a terra no Texas e na Louisiana durante a madrugada de sábado.

Em Port Aransas, também ocorriam deslocamentos e preparativos, enquanto o prefeito de Corpus Christi, com cerca de 300 mil habitantes, incentivava a população a sair da cidade. Já as ondas no mar podem chegar a 3,7 metros.

No Twitter, o Presidente dos EUA, Donald Trump, pede a todos que se mantenham a salvo e diz estar a acompanhar de perto a situação do furacão.

O alerta para a passagem de um furacão na costa central dos Estados Unidos está deixando os produtores rurais americanos em alerta.

- Poderíamos ver algumas inundações localizadas - disse o prefeito de Nova Orleans, Mitch Landrieu, em uma entrevista coletiva na quinta-feira, dizendo ainda que várias equipes de resgate estavam se preparando para a eventualidade. Em Nova York o petróleo fechou em baixa dado que os investidores estão preocupados com as possíveis consequências da chegada do furacão nas refinarias da região do Texas. Segundo o departamento de energia dos EUA, 17% da produção nacional de petróleo bruto - cerca de 9,5 milhões de barris por dia - vem do Golfo do México, nos EUA.