Doria diz que 'por enquanto' não tem razão para deixar o PSDB

O 'novo' na política é 'falar a verdade', diz Alckmin

O 'novo' na política é 'falar a verdade', diz Alckmin

Em entrevista concedida ao jornal "O Estado de S.Paulo", João Doria voltou a dizer que o PSDB deve se basear na opinião popular para escolher o candidato a presidente.

"A política traz sempre ares, tempestades e fatos que não estão dentro do seu prognóstico".

Por outro lado, Doria considerou a possibilidade e sair do PSDB, partido em que é filiado desde 2001. Para o prefeito, as pesquisas de intenção de voto serão determinantes para a escolha do presidenciável tucano. "Pretendo continuar no PSDB, até que alguma circunstância me impeça disso", disse na entrevista. Depois de conseguir antecipar a decisão do PSDB sobre o nome para a disputa para o fim deste ano, o governador disse na última semana que queria "ser o presidente do povo brasileiro" e que será a "política correta" que colocará o Brasil nos trilhos.

São Paulo - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), negou ontem que tenha intenção de deixar seu partido. Recentemente, Doria recebeu convites do PMDB e do DEM. "Outros dois partidos tiveram a gentileza e a delicadeza de abrir as portas caso necessário". "Não entrei por conveniência", afirmou.

Após participar de fórum da revista Exame na capital paulista, Doria reiterou que não vai participar de prévias do partido contra Alckmin, algo que, segundo ele, não faz sentido em virtude da relação de "amizade, respeito e consideração". "É uma pessoa que acabou de ser eleita pelo PSDB, tem compromisso com o PSDB", afirmou. Prefere Doria. Alckmin, na avaliação do Planalto, trabalhou pela queda do presidente quando o governo enfrentava a denúncia da PGR (Procuradoria Geral da República) na Câmara. "Ele está no PSDB, que é um protagonista", disse. "No presente, sou o prefeito da cidade de São Paulo", reiterou. O governador lembrou sua candidatura à Presidência em 2006, perdendo para o então presidente Lula, que se reelegeu.