Juízes de MS lideram ranking de produtividade entre tribunais do país

Despesa do Judiciário cresce mas o custo por habitante cai em 2016

Despesa do Judiciário cresce mas o custo por habitante cai em 2016

Para se ter uma ideia da média elevada de gasto mensal com os magistrados estaduais de MS, a segunda maior média do Brasil foi constatada no Estado de Goiás: R$ 70,3 mil. Minas Gerais (R$ 64,9 mil) e Rio de Janeiro (R$ 65,6 mil) aparecem na sequência. É o que revela a 13ª edição do Relatório Justiça em Números produzido pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

No lançamento dos dados, a presidente do CNJ e do STF, ministra Cármen Lúcia, destacou a transparência dada aos números do Judiciário.

Ao contabilizar quanto tempo leva, em média, a tramitação processual em cada ramo do Judiciário, o CNJ mostra como a Justiça "empaca" na fase de execução das sentenças.

Conforme o relatório, a média por magistrado é de 1.597 processos julgados no ano. Na Justiça Federal, o cenário é ainda pior. Cada juiz brasileiro solucionou, em média, 1.750 processos, mais de sete por dia.

De acordo com a pesquisa, essas instituições custaram R$ 3,8 bilhões em 2016 (o que equivale a 4,5% Judiciário). O ano terminou com 79,7 milhões ações em tramitação. "Está investindo em novos computadores, recuperação de instalações, baixa de processos, conciliação e unidades que irão acelerar o julgamento de processos como a Contadoria Judicial".

O levantamento do CNJ também revelou os tipos de processos mais frequentes no TJES em um universo de quase um milhão de processos. No total, o número de decisões e sentenças vem crescendo, mas não o suficiente para dar conta do congestionamento que atinge a Justiça brasileira. Em média, a carga de trabalho de um juiz de primeira instância em 2016 - 7.192 processos - foi quase o dobro daquela dos desembargadores, que atuam na segunda instância: 3.384 processos.

Além de concentrar a maior parte da verba e da força de trabalho, a Justiça Estadual acumula a maioria dos novos processos encaminhados ao Judiciário. Há várias estratégias para se chegar a esse ponto. “O Poder Judiciário quer se mostrar, exatamente para se aperfeiçoar.

Apesar da demora para que uma ação seja concluída, a produtividade dos juízes aumentou no ano passado.

Em 2016, apenas 27% de todos os processos, 29,4 milhões, foram solucionados e a média de julgamentos por magistrado é de 1.749.