Setembro Amarelo: 90% das mortes por suicídio poderiam ser evitadas

'Setembro Amarelo' mobiliza o Centro de Valorização da Vida

'Setembro Amarelo' mobiliza o Centro de Valorização da Vida

"A Secretaria de Saúde vem investindo bastante na prevenção ao suicídio".

Assim, para dar destaque à prevenção ao suicício, criou-se o Setembro AMamarelo, onde busca-se chamar a atenção para o fato de que é possível prevenir aquela ocorrência.

A SES está convidando repartições, como o Palácio do Governo do Estado da Paraíba, Tribunal de Justiça da Paraíba, Assembleia Legislativa da Paraíba, entre outros, para participarem da campanha, iluminando seus prédios com a luz amarela, que faz alerta social sobre o tema, além de várias as ações como distribuição das fitas amarelas, panfletagem, divulgação dos serviços de atendimento das ações do Centro de Valorização da Vida - CVV; rodas de conversas, palestras públicas, exibição de documentários e filmes que podem ser desenvolvidas no sentido de sensibilizar a população sobre o tema. A depressão é um dos fatores de risco, mas é uma doença diagnosticável e tratável. A coordenadora do Comitê, Andrea Volkmer, salienta que "esta atividade já é considerada um sucesso, uma vez que a inscrições já estão esgotadas há mais de duas semanas".

Dados da OMS indicam que mais de 800 mil pessoas cometem suicídio a cada ano no mundo.

Segundo a especialista, a cada 40 segundos há um suicídio e para cada um deles há outras 20 tentativas.

O Centro de Valorização a Vida (CVV) é uma instituição sem fins lucrativos que dá apoio emocional e trabalha com a prevenção de suicídios, atendendo de forma voluntária ou por telefone, por meio do 141, ou pessoalmente em algumas regiões. O serviço entrará em funcionamento em Roraima, Acre, Amapá, Rondônia, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Piauí e Rio de Janeiro as ligações passam a ser gratuitas.

A campanha, que começou em 2014, em Brasília, capital do Brasil, chega este ano a Beja, "a primeira cidade portuguesa a desenvolvê-la", refere a Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), num comunicado enviado hoje à agência Lusa.