Francisco J. Marques confirma providência cautelar do Benfica

António Cotrim  LusaO presidente do Benfica Luís Filipe Vieira

António Cotrim LusaO presidente do Benfica Luís Filipe Vieira

Assinada pelo advogado Gonçalo Malheiro, a providência cautelar visa FC Porto (quer a SAD, quer o clube), a estação televisiva Porto Canal (detida pelo FC Porto) e a FC Porto Media.

O Benfica pretende travar a divulgação de emails e mensagens que tem sido levada a cabo pelo FC Porto na pessoa do seu diretor de comunicação e informação, Francisco J. Marques e interpôs uma providência cautelar para que seja imposta essa proibição, entretanto já confirmada pelo FC Porto.

Além disso, caso os azuis e brancos não acatem a decisão judicial, o Benfica exige o pagamento de um milhão de euros por cada incumprimento.

Para garantir que não há mais emails envolvendo o clube revelados na praça pública, o Benfica interpôs uma providência cautelar contra FC Porto, SAD, FC Porto Media, Porto Canal e Francisco J. Marques, diretor de comunicação do clube. "Confirmo que o Benfica intentou uma providência cautelar, que agora segue os trâmites e os prazos legais"; confirmou o dirigente, referindo que os advogados do FC Porto têm dez dias para contestar a providência cautelar.